Os muitos significados da relação do Brasil com a Venezuela

24 de Janeiro de 2019
Por Henry Galsky Para além das questões apresentadas no texto anterior sobre a nova diplomacia brasileira, uma das intenções do Itamaraty é aumentar a pressão sobre Maduro.

Essa é uma das prioridades internacionais do Brasil não apenas por questões práticas, mas também ideológicas. 

Como escrevi, a Venezuela foi durante a campanha – e continua a ser – um assunto polarizador no Brasil. Ao mesmo tempo, o governo também faz uso do tema com ambições políticas internas. 

O aumento da temperatura sobre o PT a partir da relação do partido com a Venezuela funciona também para enfraquecer a oposição doméstica de maneira mais ampla. 

As feridas das eleições podem ter diminuído, mas ainda estão abertas. A Venezuela é tema complicado no jogo político brasileiro e rotular adversários como vinculados ao regime bolivariano encontra eco e provoca medo e rejeição em parcela relevante da sociedade brasileira. 

Há outros aspectos históricos muito importantes por aqui. A ditadura militar brasileira moldou em boa medida movimentos políticos, personalidades, partidos e é marca recente do país. A ditadura e suas heranças também estiveram muito presentes no durante o último processo eleitoral brasileiro. 

Na onda de revisionismos que estão na mesa, esse capítulo da história é um dos principais itens a dividir esquerda e parte desta nova direita brasileira. 

Por isso, quando o governo adere ao mesmo posicionamento político da atual administração americana em relação à Venezuela acaba por aprofundar ainda mais as diferenças do novo Itamaraty em relação ao histórico recente de diplomacia brasileira. 

O apoio dos EUA às ditaduras militares na América Latina é um fato histórico. Um governo brasileiro liderado por um presidente abertamente elogioso ao período ditatorial estabelece esta conexão e apresenta um elemento novo - e ainda mais polarizador - capaz de aprofundar divergências internas.

Ao mesmo tempo, também permite ao governo atual distanciar-se das administrações anteriores - de maneira mais clara, diferenciando-se com contundência dos governos do PT não apenas na diplomacia, mas em muitos outros pontos que podem ser resumidos em dois principais: a visão sobre a própria história brasileira e sobre o modo como chegamos até aqui. 

A forma como o Brasil se relacionará com a Venezuela carrega todos esses significados implícitos. Não é pouco.