Depois da Superterça nos EUA, indicação Democrata segue indefinida

04 de Março de 2020
Por Henry Galsky Como escrevi no texto publicado no dia 21 de fevereiro, era preciso examinar com calma a ideia de certeza quanto à vitória de Bernie Sanders nas primárias do partido Democrata. A chamada Superterça, quando 14 estados norte-americanos votaram para decidir o candidato interno da legenda que enfrentará Donald Trump em novembro, permitiu que o ex-vice-presidente Joe Biden retomasse a liderança. Biden venceu em nove dos 14 estados. 

Ao mesmo tempo em que o crescimento da candidatura de Sanders durante a escolha realizada pelos eleitores democratas em Iowa, New Hampshire e Nevada não poderia garantir a vitória do senador, a grande virada de Biden tampouco determina que o ex-vice de Obama será escolhido para desafiar Trump. As primárias realizadas nesses três estados e mais a ocorrida na Carolina do Sul corresponderam a apenas 4% dos delegados.  

Vale uma pequena explicação sobre o processo:

Para levar a indicação, o pré-candidato precisa obter os votos de 1.991 do total de 3.979 delegados do Partido Democrata. Ou seja, a maioria simples. O vencedor dessa disputa interna será oficialmente declarado durante a Convenção Nacional Democrata (DNC, em inglês), marcada para acontecer em Milwaukee a partir de 13 de julho. Mas é provável que o adversário de Trump seja conhecido bem antes disso. 

Depois das primárias marcadas para o dia 17 de março, 60% dos delegados já terão seus votos destinados a um dos candidatos. Após as primárias realizadas no chamado "Acela Corridor" (que reúne os estados de Rhode Island, Connecticut, Nova Iorque, Pensilvânia, Delaware e Maryland ), em 28 de abril, 90% dos votos estarão decididos. Este é o momento em que possivelmente iremos conhecer o pré-candidato Democrata. 

Há uma razão para que eu não crave a decisão sobre o candidato Democrata no final de abril; se nenhum dos candidatos conquistar a maioria dos delegados, o processo de escolha passará a contar com os votos dos chamados "superdelegados". Neste caso, são 770 votos que, em caso de necessidade ao término da corrida interna, serão decisivos e que determinarão o adversário de Donald Trump em novembro. 

O retrato de momento aponta leve favoritismo de Joe Biden. De acordo com o consolidado dos números e levantamentos realizados, o portal RCP - que, como escrevi anteriormente, reúne todas as pesquisas - mostra Biden com 75 delegados a mais que Sanders. Biden tem 467, Sanders tem 392.